Esse é o meu universo: o que eu ouço, o que eu penso e o que eu vivo.

quinta-feira, 12 de abril de 2012

Destino: Felicidade


Felicidade ficava muito longe dali, seria uma viagem cansativa, angustiante, mas em viagens tão longas isso é inevitável. É bem provável que eu fosse desistir antes de alcançar o destino. Muitas pessoas ainda mais decididas já haviam desistido antes. Já se passavam anos nesta revolucionária odisseia. Impasses, desilusões, tristezas, mas também muitas realizações e alegrias. Algumas vezes me perdi pelo caminho, mas isso não é tão extraordinário que eu não pudesse retornar ao ponto do erro e recomeçar a jornada.

Seguindo pelo mapa, segui viagem entrando numa estrada bem ampla e clara, mas logo percebi que aquele percurso era complexo, logo no início encontrei as dificuldades, hesitei, pensei em desistir, mas mesmo assim resolvi insistir, por um tempo, mas logo depois, por causa de algumas pedras no caminho - muitas placas indicavam instabilidade na pista - percebi que eu não era capaz naquele momento, decidi voltar atrás e me preparar para enfrentar aquele caminho. E, tão logo eu estava preparado, tentei voltar à minha viagem, mas foi então que me dei conta de que aquela estrada estava fechada. Eu não tinha mais permissão para transitar por ali. Chorei por alguns meses, pois acreditava que aquele fosse o único caminho para Felicidade, até me dar conta de que a grande verdade era que aquela estrada é que não tinha estrutura para mim. Então guardei apenas a curiosidade de como poderia ter sido.

Assim que enxuguei as lágrimas, percebi uma segunda estrada que parecia bem mais confiável. Me joguei de cabeça, sem medo, e me encantei com todas as belezas do percurso. A cada passo uma nova descoberta. Era mesmo feita todinha para mim, cada detalhe, cada cheiro, cada som, cada paisagem, cada textura. Eu nunca mais voltaria a me encantar assim. Algumas vezes tive vontade de correr para descobrir mais coisas em menos tempo e me desesperava quando era proibido disso. Talvez eu tenha me desesperado demais, exagerado um pouco, mas esse não foi o motivo para ter minha viagem impedida. Pois sim, aconteceu, ironicamente aconteceu. Aquela viagem tão maravilhosa teve que ser cancelada por aquele caminho. Uma placa no caminho dizia que aquela estrada não estava totalmente pronta e, desse modo, eu não poderia alcançar meu destino por ali. Tive que voltar, para minha segurança, mas com a promessa de que aquela estrada seria terminada um dia. Cada lembrança que eu tinha me acendia ainda mais a esperança de voltar. Não fazia mal esperar, enquanto eu tivesse aquelas lembranças nada poderia me entristecer.

Foi então que notei a terceira estrada à minha frente. Nunca antes tinha visto nada mais atrativo. As portas estavam totalmente abertas e me convidavam para ir por ali. Me arrisquei, acreditei outra vez que era a hora de voltar à viagem. Era tão lindo o percurso e não apresentava perigo apesar de obscura em alguns pontos. A curiosidade me instigava a seguir em frente, a estrada apenas se tornava mais atrativa. Eu já tinha começado a fazer planos, como agir, como me dedicar, o que fazer para aquele percurso valer a pena. E de repente vi a estrada se fechando até não poder mais seguir adiante. A estrada também não estava terminada e segundo a placa no fim do caminho: “entrega em quatro meses”.

Me sentei na frente das três estradas. Repensei todas as minhas tentativas de atravessar esse ponto da viagem até Felicidade. Será que a culpa era minha? Será que depois de tanto me preparar ainda faltava algo? Algumas pessoas que passavam por mim e me viam ali sentado, duvidando, hesitando, sofrendo, diziam que eu merecia chegar ao meu destino, mas nenhuma delas tinha a resposta que eu queria: Como? De que forma? O que me faltava? O que me sobrava?

Olhei para trás, a primeira estrada estava aberta novamente e havia um convite para mim. Era a mesma estrada, cheia de pedras no caminho, cheia de dúvidas, cheia de riscos. Tinha sido muito usada por outras pessoas, estava ainda pior do que quando eu passei por ela, tinha mesmo deixado de ser atrativa para mim, eu já sabia que seria um grande risco tentar de novo por ali então preferi não me arriscar. A segunda estrada ainda estava fechada, tinha uma placa na entrada dizendo que estava em reforma, sem previsão de término, e sem muitas esperanças de exclusividade quando terminasse, apesar de ainda ter o meu nome rabiscado na porta.

Me voltei para a terceira que ainda me intrigava. Quis ver mais de perto como ela funcionava, prestar mais atenção aos detalhes e só então reparei a placa na entrada que dizia: “Aberto ao público”. Meu deus! Não era uma estrada, era um beco sem saída, uma via inconstante, cheia de altos e baixos, e que não pretendia me levar ao meu destino, e não se prestava a ser exclusiva, muito menos para mim que ocuparia tanto espaço, muito menos para mim que supostamente não era digno de transitar por ali. E só descobri isso porque fui persistente, insisti em dar mais uns passos à frente e finalmente encontrei uma placa com uma mensagem, no mínimo, engraçada: “Proibido transitar usando bermuda dobradinha”. E eu ri, eu ri, eu ri até o riso se transformar em choro. E voltei imediatamente antes que o choro se tornasse desespero.

Mas já era tarde, eu já havia me desesperado. E fiquei cego. Tão cego que não vi logo mais à frente uma trilha, que poderia ser a solução, que poderia ser o melhor caminho. A placa na entrada dizia: “Esperança!” Poucas pessoas haviam passado por aquela trilha, poucas marcas deixadas naquele caminho. Eu poderia construir uma estrada ali, fazer do meu jeito, usar todo o meu perfeccionismo, tornar aquela via mais bonita. Mas eu estou cego pelo desespero, preciso descansar depois das tentativas, me recompor, me refazer. Estou incapacitado de tomar uma atitude agora. Não quero desistir. Não vou desistir. Mas Felicidade vai ficar pra outra hora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário